Análise em Foco > Personalidade
AeF AMPLIA INFRAESTRUTURA PARA ATENDER MELHOR AOS INTERNAUTAS
Sexta-Feira, 04 de Agosto de 2017

Nos últimos três meses, após mudanças de layout e de conteúdo, a audiência do Análise em Foco triplicou em número de Visualização de Página e mais do que dobrou em Visitas Únicas, como mostra o gráfico ao lado. Como resultado desta expansão, o servidor onde estava hospedado o site não suportou a demanda e foi preciso trocá-lo por outro de melhor performance, para garantir o acesso dos internautas às páginas do portal.

Quem acessou o Análise nos últimos meses encontrou dificuldades em alguns momentos, quando o site esteve fora do ar ou demasiadamente lento na hora de carregar as páginas. Problema que acabou após as mudanças efetuadas na parte server do veículo, que agora pode ser acessado a qualquer hora e a qualquer dia com tranquilidade.

Outra grande diferença produzida pela mudança está na interface de atualização do portal, cujo acesso vinha sendo bastante dificultado pela limitação do antigo servidor. Basicamente as atualizações vinham sendo feitas entre o fim da noite e o início da manhã, pois durante o dia era quase impossível mexer nas páginas, tamanho o esgotamento do servidor. Agora, com os códigos PHP do portal otimizados, uma troca de plataforma Windows por Linux e novo servidor, tanto o processo de atualização quanto o acesso ao portal ficarão bem mais rápidos, acabando com o nosso drama e o dos internautas.

Este é mais um esforço que fazemos nestes 8 anos de vida, completados no último dia 25, para atender às necessidades de nossa audiência e às expectativas do mercado, que esperam sempre o melhor da gente – demandas às quais atendemos com toda honra e prazer, é claro. Só nos últimos três meses o portal teve uma remodelagem gráfica e editorial, além de uma atualização de infraestrutura, que acaba de ser concluída, deixando o AeF mais rápido e estável. São processos que envolvem muito trabalho e dedicação, mas também investimentos significativos.

Valor agregado

Em relação ao número de acessos do Análise em Foco, é importante observar que eles são obtidos com número bem menor de atualizações que os concorrentes. Enquanto alguns dizem fazer até 20 atualizações por dia, no AeF esta quantidade é feita em uma semana – embora no médio prazo a ideia seja expandir este número com um reforço da equipe.  

Ocorre que, como já ressaltamos diversas vezes, não trabalhamos com reprodução de conteúdos, como fazem veículos mais focados em abordagem factual dos acontecimentos, publicando na íntegra material enviado por assessorias de imprensa. Nós nos debruçamos sobre as pautas para aprofundá-las, produzindo análise e opinião de primeira linha, comparável aos melhores conteúdos analíticos e opinativos do país. Em nossa linha de produção o release das assessorias é um ponto de partida, não de chegada. Neste trajeto, muitas vezes são consumidas horas de pesquisa, reflexão, conversa com fontes e outros procedimentos que demandam muito trabalho e preparação.

Por isso temos que cobrar um valor proporcional mais alto de nossos anunciantes. Precisamos agregar o valor de nossa diferenciação editorial a nosso departamento comercial, pois do contrário o ciclo virtuoso não fecha. Quando o público alvo de uma marca é atingido por um anúncio veiculado conosco, sua percepção sobre ela é outra, então esta diferença de valor cognitivo é o que agregamos a nossos preços. A imagem de credibilidade, exclusividade e diferenciação que temos diante de nossa audiência funciona como um filtro para a imagem do anunciante, que ganha um upgrade veiculando no AeF.

Excelência gratuita

No final de todo este longo, trabalhoso e devotado processo quem mais ganha é você, internauta, que tem acesso a conteúdo exclusivo e de qualidade, produzido em nível de excelência, sem ter que pagar por isso. Agora, com o novo servidor, você terá também mais agilidade e tranqulidade na hora de acessar o portal, assim como nós teremos mais facilidade e conforto na hora de atualizá-lo. É realmente motivo para se comemorar! E vamos em frente, com mais novidades em breve.

OBS: as estatísticas do Análise em Foco até julho eram da RedeHost, fornecedora da hospedagem. Com a troca de servidor, o AeF passa a ser hospedado pela empresa 325Web, de Curitiba (PR), que hoje oferece um dos melhores custo-benefício do mercado em serviços de cloud, hospedagem e desenvolvimento. As estatísticas do portal passarão a ser medidas pelo Google Analytics.

 

  



PROPORCIONALMENTE, GASTO DE VEREADOR É MAIOR QUE DE DEPUTADO
Quinta-Feira, 17 de Agosto de 2017

EDITORIAL AeF

Os números não mentem jamais, a forma de interpretá-los é que pode levar a conclusões equivocadas. Por isso em nossos artigos preocupamo-nos mais em apontar caminhos de interpretação do que em chegar a pretensas conclusões, embora também tentemos fazê-lo às vezes. Afinal, qualquer pressuposição de verdade deverá ser sempre relativa, e a subjetividade de cada um, assim como o repertório próprio de conhecimento, devem ser o complemento de qualquer tentativa de se interpretar um fato.

Tomemos como exemplo dados sobre gasto parlamentar, disponíveis para consulta nas páginas do Poder Legislativo, através do Portal da Transparência. Quando se olha para eles isoladamente, sem referências ou bases de comparação, fica difícil saber o que exatamente significam. Se comprovam a tese dos gastos perdulários dos parlamentares ou se a contradizem.

No momento em que se estabelece uma base mais objetiva de avaliação, passa-se a ter uma noção mais clara de como interpretar as estatísticas e os números. Em busca desta observação mais fundamentada dos gastos legislativos, montamos a seguinte equação: gasto parlamentar ÷ população = gasto parlamentar per capta. Com base no coeficiente obtido através deste cálculo, comparamos a Câmara dos Deputados com a Câmara de Vereadores, levantando o custo per capta das bancadas e dos parlamentares para a sociedade brasileira.

Através deste comparativo, foi possível perceber que os vereadores de Blumenau, com exceções, custam sozinhos para o contribuinte blumenaunse o que as bancadas inteiras de seus partidos custam para o contribuinte brasileiro. Os valores são referentes a gastos com a manutenção dos gabinetes, incluindo despesas com material de expediente, telefone, combustível, viagens, hospedagens, diárias e outras despesas incluídas na cota parlamentar.

Mais abaixo você confere quadro com o valor de cada parlamentar do município, das bancadas de seus respectivos partidos na Câmara dos Deputados e de seus colegas de Brasília que se destacam para mais e para menos no consumo de cota parlamentar, todos convertidos em custo per capta para os blumenauenses e para os brasileiros. O valores referem-se à soma dos gastos efetuados nos seis primeiros meses do ano. Para cálculo do valor per capta, foram consideradas as populações auferidas pelo IBGE no último senso demográfico, de 2010, que apontou 309 mil habitantes em Blumenau e 190 milhões no Brasil.

Gasto proporcional

O vereador blumenauense que mais consumiu verba de gabinete no primeiro semestre do ano foi Jovino Cardoso, que gastou R$ 15,4 mil para manter sua estrutura parlamentar. Dividindo este valor pelos 309 mil habitantes da cidade, chega-se ao valor de R$ 0,04 (quatro centavos) por habitante, que foi o custo do parlamentar para cada cidadão blumenauense. É exatamente o mesmo valor per capta de toda a bancada de 42 deputados do PSD na Câmara. Em quase todos os casos, os 15 vereadores blumenauenses geraram, isoladamente, um custo per capta equivalente, maior ou próximo ao de suas respectivas bancadas inteiras em Brasília. Isso leva à constatação de que, proporcionalmente, eles gastaram mais que os colegas deputados.

As exceções foram os vereadores Alexandre Matias* (PSDB) Ricardo Alba (PP), Bruno Cunha (PSB) e Gilson de Souza (PSD), que tiveram um custo per capta inferior a R$ 0,01 (um centavo) para os blumenauenses. Alba foi o mais econômico de todos, gastando apenas R$ 353,58 com verba de gabinete nos seis primeiros meses do ano – mereceria até uma condecoração pelo feito notável.

O presidente da Câmara de Vereadores de Blumenau, Marcos da Rosa (DEM), mostrou certa incredulidade em relação aos números e suas evidências, mas destacou que, ao assumir o comando da Casa, reduziu em 50% a verba mensal de gabinete dos vereadores, que era de R$ 3 mil e hoje é de R$ 1,5 mil (o limite, contudo, não vem sendo respeitado por todos)*.  

– É difícil entender isso (os dados sobre gasto per capta), a gente aqui faz um esforço enorme pra economizar, enquanto lá se gasta com bem menos critério – observa ele.

De forma alguma se pode desmerecer o esforço que a atual legislatura vem fazendo para reduzir custos no Legislativo blumenauense. Ele deve ser tão reconhecido quanto aplaudido, pois é este tipo de esforço que a sociedade espera de seus representantes, principalmente em um país com tantas deficiências em áreas estratégicas como educação, saúde e segurança pública. Os números, no entanto, assim como o exemplo de alguns parlamentares, mostram que é possível fazer ainda mais neste sentido.

* Inserido após a publicação para complementação de conteúdo

Estímulo

Que as partes envolvidas na causa possam tomar a crítica como um estímulo, portanto, e não como um desmerecimento. Se os vereadores blumenauenses estão fazendo sua parte tentando usar os recursos públicos mais racionalmente, precisam fazer ainda mais, pois há margem para isso, como se pode perceber. E vale observar que os cálculos feitos nesta publicação não incluem os gastos com pessoal em cada gabinete, bem mais altos que a cota para material de expediente – o salário de um assessor parlamentar é de aproximadamente R$ 5 mil, e cada parlamentar pode ter até cinco deles.

É imperioso ressaltar, entretanto, que não é apenas o Poder Legislativo que precisa cortar na própria carne, mas também o Executivo e o Judiciário, que também têm péssimos exemplos a oferecer em termos de trato do dinheiro público. Sobre os dois primeiros a sociedade consegue exercer pressão mais facilmente, para que sejam mais responsáveis. Mas no caso do terceiro há uma blindagem que dificulta bastante o exercício desta pressão. Por isso o juízo e o respeito ao patrimônio público, para os magistrados, é ainda mais importante do que para parlamentares e gestores públicos. Pensem nisso, senhores.




+ Notícias
Todos os direitos reservados © Copyright 2009 - Política de privacidade - A opinião dos colunistas não reflete a opinião do portal